Vamos falar de dinheiro

Por que é tão difícil falar sobre dinheiro?

Não devia ser, né? Afinal, dinheiro (ou a falta dele) é uma parte da vida de todo mundo. Se você acompanha este blog, você provavelmente gosta de ouvir sobre, mas falar não é tão comum como parece. No Brasil temos essa cultura de sermos mais fechados quando o assunto é dinheiro.

Apesar de consumir muito material sobre, uma coisa é ler curiosidades financeiras e outra é conversar sobre a sua própria situação no dia a dia. Metade dos brasileiros evita sequer pensar em dinheiro, que dirá falar sobre ele. Foi isso que descobriu um estudo do Datafolha junto à consultoria Box1824. Para os entrevistados, a associação é quase sempre com um sentimento ruim.

Mesmo a outra metade só conversa superficialmente: 60% das pessoas, por exemplo, nunca falam quanto ganham de salário. “Ah, mas falar de salário é algo muito pessoal, né?” OK, mas por quê? Se as pessoas conversam abertamente sobre outros temas sensíveis, como religião, política e saúde, por que falar sobre salário, dívida, ou investimentos é tão pessoal assim?

A maioria dos entrevistados afirma que entender de guardar dinheiro ou poupar, investir, falar de rentabilidade é coisa de gente rica. E 97% deles dizem ter dificuldade em lidar com seu dinheiro. Ainda segundo a pesquisa do Datafolha, a falta de conversas abertas sobre dinheiro faz as pessoas formarem opinião com informações limitadas sobre a vida dos outros.

Dinheiro na sociedade

O dinheiro é tido pelos psicoterapeutas como um dos temas mais críticos na clínica, principalmente nas terapias com casais. Falar de dinheiro ainda é um “tabu” em nossa sociedade e de uma maneira geral conversamos com um pouco mais de facilidade sobre sexo, fidelidade, relacionamentos anteriores, mas permanecemos reclusos, embaraçados ou em conflito para falar sobre dinheiro.

Existe uma crença que se você diz que ganha dinheiro a mais do que uma parte de conhecidos, atrai inveja, atrai o famoso “mal olhado”. Porém, se você vive rodeado de pessoas assim, provavelmente começará a pensar igual a eles. Precisamos evitar bolhas de crenças mas não ignorá-las por completo, precisamos entender porquê das pessoas estarem pensando assim.

Dinheiro na família

Em família isso pode ser ainda mais complicado, pois, vivemos com estas pessoas todos os dias possivelmente. Pare para pensar, como é possível planejar o pagamento dos boletos da casa se vocês não sabem, juntos, a renda da família? Precisamos ter um dialogo aberto com quem é importante para nós, principalmente. Como qualquer outro assunto, quanto mais conversamos e vemos pontos de vista, melhor ficamos naquele assunto e mais aprendemos.

Tente puxar assunto com alguém em quem você confie. Não precisa ser nada super invasivo. Você pode perguntar, por exemplo, se alguém indica um formato de planejamento mensal das contas. Ou pode falar que está pensando em pedir um aumento no trabalho, mas não sabe direito como e queria dicas. Falar sobre dinheiro não é só falar sobre quanto ganha.

Por que evitamos tanto assim?

É muito difícil responder essa pergunta. Pois isso se vem de gerações a qualquer um que perguntarmos, irá responder se que não sabe por que é díficil falar sobre. Mas conversando com alguns amigos, aos poucos descobri algumas coisas.

Alguns dos principais motivos que os brasileiros tem para evitar este assunto.

Segurança própria, sua ou da familia – Em geral, se a pessoa considerar que ganha bem, tem medo do que outros podem querer pensar e até mesmo dessa informação ir para meios ilícitos.

Autoestima – Tanto para cima quanto para baixo. Ao saber que você ganha menos por exemplo do que um amigo(a) ou parceira(o) pode deixar as pessoas afetadas emocionalmente. Mas isso seria mais no início, pois este é o primeiro passo para superar pensamentos restritos e ajudar a se desenvolver.

Parentes e amigos pedintes – O fato de acharem que você é sucedido será alvo de solicitações financeiras e de emprestimos para as mais variadas ações (desde investimentos a compras )

Inveja – Infelizmente pode acontecer de alguma pessoa ou várias se sentirem com inveja ou até mesmo julgar. Isso ainda é comum no Brasil, quando alguém consegue crescer na vida, é julgado pelo dinheiro e pelas formas em que conseguiu adquirir.

Precisamos falar mais de dinheiro

Conversar sobre dinheiro é delicado. Para muitas pessoas, não importa o gênero, a profissão, religião ou classe social falar sobre a condição financeira é quase um tabu, traz consigo o proibitivo, causa constrangimento e até desconforto. Se você, de alguma maneira já se viu nesta situação, saiba que este desconforto é bastante comum, e por motivos que a maioria de nós, nem imagina. E por este fato, precisamos mudar.

Precisamos falar sobre planejamento financeiro, educação financeira, negócios, rentabilidade, lucro e corte de custos sim. Vivemos isso todos os dias da nossas vidas desde antes de nascermos até depois de morrermos.

Lógicamente, não precisa falar com todo mundo. Precisamos pesar em como essas conversas podem agregar e em qual cenário começar o assunto. Também pode se pensar, como você pode ajudar alguém a aprender mais sobre este assunto também. Por exemplo, uma ótima maneira de introduzir o assunto, é indicando este conteúdo para alguns amigos e familiares que você acredita que pode agregar conhecimento.

O importante é colocar essa bola em campo e começar aos poucos a alimentar esse hábito. Ao não falar sobre finanças com as pessoas que gostamos, estamos tirando a oportunidade de todo mundo ter uma relação melhor com seu dinheiro. Se não ensinarmos nossas filhas e filhos sobre isso, estamos apenas perpetuando o ciclo e fazendo com que isso continue a se repetir em gerações.

Falar sobre dinheiro e seus significados é sem dúvida um tema muito rico, muito amplo, são muitos os aspectos, muitas abordagens, muitas áreas de conhecimento discorrem sobre o assunto devido a importância do tema. Com toda certeza, os aspectos tratados aqui neste texto são uma ponta do iceberg, o assunto é muito mais profundo e merece um olhar especial.

Vídeo especial de Denise Damiani falando sobre dinheiro no TEDxSãoPaulo

Brasileiro, investidor curioso de renda variável, professor de pós-graduação na PUC Minas na área de Marketing Digital, atua como Consultor de Marketing Digital e Gestão de CRM atendendo empresas de diversos portes. Tem formação em Business Marketing pela Ohio University, Gestão de Pessoas e Especialista em Desenvolvimento Web pela PUC Minas e Produtor Multimídia pela UniBH. Também é fundador do Diário de Investimentos, Aplicativo Tricks (Guia Radical), Teste de Digitação Online e da Digitow - Plataforma de Digitação. No tempo livre é fotógrafo, viajante no mundo e praticante de esportes radicais. blogueiro no portal de experiências CV do Fábio.
Post criado 96

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo